→   Projectos  —   Reflexo  —

Projecto Reflexo – Imagens positivas

 

O projecto pretende contribuir para uma imagem mais clara da forma como as crianças e os jovens de etnia cigana vêem a escola e de como a comunidade educativa poderá integrar as especificidades da cultura cigana.

O projecto centra-se na concepção de um recurso pedagógico a ser usado nas escolas e que tem como objectivo apoiar os/as docentes e a comunidade escolar em geral a encontrar formas adequadas de garantir a continuidade na escola das crianças e jovens de etnia cigana. O Agrupamento de Escolas Frei Heitor Pinto tem vindo a desenvolver todos os esforços para que as crianças de etnia cigana se mantenham na escola, mas, na verdade, a proporção desmesurada entre os esforços e os resultados tem levado ao desânimo, mesmo dos membros mais persistentes deste corpo docente.

Este recurso será concebido de forma participada pelas crianças e jovens ciganos/as e da sociedade maioritária, pelos pais e mães dos/as primeiros/as, pelos/as docentes do ensino básico e secundário com experiência em trabalhar com este tipo de público e, claro, com uma equipa técnica qualificada em áreas como a psicologia, as ciências da educação, a antropologia e a comunicação. 

 

Parceria

O projecto pretende ser uma iniciativa assente numa parceria muito forte e complementar entre a CooLabora – uma ONG com experiência de trabalho de intervenção junto da comunidade cigana do Tortosendo –, o Agrupamento de Escolas Frei Heitor Pinto – que tem um elevado número de alunos de etnia cigana e um corpo docente consciente da sua necessidade de encontrar estratégias para cativá-los –, o Departamento de Psicologia e Educação da Universidade da Beira Interior – com uma equipa sensibilizada para a temática da integração da comunidade cigana –, a Câmara Municipal da Covilhã e a Junta de Freguesia do Tortosendo – entidades cada vez mais cientes da necessidade emergente do encontro de soluções inovadoras e ajustadas à integração das crianças e jovens de etnia cigana na escola e, consequentemente, na sociedade.

A parceria conta, também, com três representantes da comunidade cigana, que têm a importante função de mediar a relação que a equipa de trabalho do projecto irá estabelecer com esta comunidade. Esta equipa conta, ainda, com duas voluntárias: uma docente da UBI, especialista em comunicação, e uma docente do ensino básico e secundário, que desenvolve na sua actividade de docente inúmeras iniciativas de promoção da cidadania.

 

Acções e objectivos

As actividades do projecto, que decorrem ente Fevereiro de 2018 e Julho de 2019, giram à volta da criação deste recurso que será constituído por duas partes. Uma delas será uma bateria de actividades lúdico-pedagógicas, a ser usada em sala de aula por crianças ciganas e não ciganas, cujo objectivo é dar a conhecer a cultura e a história ciganas tornando-as em algo familiar e, como tal, aceites. Estas actividades também têm o papel de fazer com que as crianças ciganas que nelas participam vejam traços culturais do seu povo valorizados e, por isso, encarem a escola como um lugar onde estas matérias têm lugar e elas próprias também.

A segunda parte do recurso dedica-se à reflexão sobre iniciativas que envolvam o corpo docente e não docente, numa estratégia que parta do estabelecimento de ensino para a inclusão das crianças e jovens de etnia cigana na escola.

A sua disseminação será feita on line e também através de uma edição em papel.

 

Financiamento: Fundo de Apoio à Estratégia Nacional para a Integração das Comunidades Ciganas, que é gerido pelo Alto Comissariado para as Migrações IP.


 

Caminho:   Página inicial  →  Projectos  →  Reflexo